19047630_1901861760052467_1783945268_n

CORREDOR CULTURAL OBASSYLENE

Por Regina Prado e Renato Dória* 

Em 2005 Sidilene Vieira, integrante do grupo teatral Raiz da Liberdade foi selecionada como empreendedora da Incubadora Afro Brasileira, com a seleção surgiu a idealização do Corredor Cultural Obassy.

     À princípio a intenção era transformar o grupo em uma empresa gestora de  cultura.

     Em 2006 com o falecimento de D. Obassy, idealizadora do grupo teatral e articuladora sócio-cultural da comunidade o projeto foi repensado visando à partir de então a mudança da Rua Salatiel no Corredor Cultural Obassy, contudo por falta de consenso entre os membros do grupo Sidilene afastou-se pacíficamente, engavetando lamentavelmente sua idealização.

     Em 2016 Cilene Regina,assistente social formada pela Puc R.J,militante comunitária e assim como Sidilene, Dayse,Lenise e Cristiane filha de D. Obassy falece aos 50 anos causando grande comoção no grupo e na Cidade de Deus, despertando assim o desejo de ressuscitar o projeto.

    A perda de Cilene amadureceu o grupo, hoje estão empenhados em gerar esse filho tão almejado chamado Corredor Cultural Obassylene, pretendem criar um oásis como contraponto em meio ao caos que se transformou a amada Cidade de Deus, palco constante de violências destruindo a vida de inocentes com a dita bala perdida.   Continue lendo

Camelôs fazem manifestação no Centro do Rio contra fiscalização violenta da Prefeitura

Trabalhadores tiveram mercadorias apreendidas e foram impedidos de trabalhar 

Por Victor Barreto*

Concentração do ato na Candelária. Na camisa: Campanha de combate a criminalização do comércio informal. Movimento Unidos dos Camelôs (MUCA)

Concentração do ato na Candelária. Na camisa: Campanha de combate a criminalização do comércio informal. Movimento Unidos dos Camelôs (MUCA)

 Um protesto chamado “O camelô é meu amigo. Mexeu com ele, mexeu comigo” reuniu  camelôs nesta quarta (11.04), no centro do Rio, para denunciar a violência da Prefeitura contra os vendedores ambulantes. O Movimento Unido dos Camelôs (MUCA) convocou a manifestação pela manhã, com concentração em frente a igreja da Candelária e saída, em passeata, até a Prefeitura.

Entre outros assuntos, a pauta continha a violenta ação da Guarda Municipal e fiscais da Prefeitura, na noite do dia 7 de abril (sexta feira), para apreender mercadorias e impedir o trabalho dos camelôs. Alguns contam que, na ocasião, a Guarda Municipal e os fiscais da Prefeitura “varreram” diversos pontos do Centro do Rio e da Zona Sul como, por exemplo Av. Presidente Vargas, Lapa e as praças XV, Mauá, Tiradentes e São Salvador. Durante o protesto, os camelôs reafirmaram que não vão deixar de trabalhar, apesar da repressão. Continue lendo

DALVA CORREIA fala sobre a árvore de natal com fotos de jovens assassinados pela violência do Estado

Na última sexta-feira, dia 16 de dezembro de 2016, mães de jovens assassinados pela violência do Estado montaram na cinelândia, uma árvore de Natal com fotos dos seus filhos. Entre elas está a moradora do morro do Borel, DALVA CORREIA, mãe de Thiago Correia da Silva que foi assassinado no Borel em 2003. No vídeo ela conta um pouco da sua história para o NPC.

Em breve estaremos lançando outros vídeos com essas mães. Aguardem.
https://www.youtube.com/watch?v=Cb1xcfv6iv0&feature=youtu.be