Arquivos da categoria: Segurança pública

Linha do tempo acompanha 15 dias de fogo no Jacarezinho

Visão aerea da Favela do Jacarezinho, Rio de Janeiro, Brasil. Março/2013

Visão aérea da Favela do Jacarezinho, Rio de Janeiro, Brasil. Março/2013. Foto de Leo Lima

Do dia 11 ao dia 25 de agosto de 2017, o conjunto de favelas do Jacarezinho e Manguinhos viveu dias intensos de operações policiais. As ações resultaram em mortes, escolas fechadas e dúvidas sobre a manutenção do atual modelo de segurança pública do Rio de Janeiro.

Nesse site, você acompanha o dia a dia da operação. Trata-se de uma linha do tempo que repassa o que saiu nos jornais e as repercussões dos mais de 10 dias de fogo cruzado na favela. Para acessar, basta clicar em https://cdn.knightlab.com/libs/timeline3/latest/embed/index.html?source=1yZaHouhW4gx5xbZoVJoIBhzcBwwchSM8pOdi-AS7t5s&font=Default&lang=en&initial_zoom=2&height=650

DALVA CORREIA fala sobre a árvore de natal com fotos de jovens assassinados pela violência do Estado

Na última sexta-feira, dia 16 de dezembro de 2016, mães de jovens assassinados pela violência do Estado montaram na cinelândia, uma árvore de Natal com fotos dos seus filhos. Entre elas está a moradora do morro do Borel, DALVA CORREIA, mãe de Thiago Correia da Silva que foi assassinado no Borel em 2003. No vídeo ela conta um pouco da sua história para o NPC.

Em breve estaremos lançando outros vídeos com essas mães. Aguardem.
https://www.youtube.com/watch?v=Cb1xcfv6iv0&feature=youtu.be

Filme sobre comunidade São José Operário é lançado na Escola Padre Butinhá

Por Miguel Pinho

Foto após a exibição do filme

Foto após a exibição do filme

No dia 23/04, no finzinho da tarde, a escola Padre Butinhá recebeu a première do filme Irmão do Morro. O filme fala sobre a história da favela São José Operário, que fica na Praça Seca, através da ótica de seus moradores. O documentário foi produzido por alunos da turma de comunicação popular do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) de 2015 e dirigido por Bruno Lima, morador da comunidade e também aluno do curso.

Na história aparece com destaque um importante personagem da comunidade, o Padre Frank. O religioso ajudou na organização da comunidade nas reivindicações por luz, água e saneamento básico.  E este é um dos aspectos importantes do filme, que é mostrar a luta dos moradores de São José Operário por dignidade.

Para Bruno Lima, a oportunidade de fazer o filme veio através do NPC para contar a história de vida das pessoas que residiam e residem na comunidade. E mesmo com as lutas da comunidade por seus direitos, ainda hoje a São José Operário enfrenta problemas. “Ainda hoje a gente sofre como há 30 anos com a falta d’água. Você vê pessoas tendo que colocar lata d’água na cabeça para levar água potável para dentro da sua casa.”

O filme é importante como registro histórico. Também mostrar o que existe na comunidade para além da violência e da precariedade, ou seja, que lá existem pessoas sonhando e lutando por um vida melhor. Para o diretor, “as pessoas sabem que o morro é uma área de instabilidade social, extremamente violenta, e no filme a gente mostra que não é só isso, lá também tem moradores trabalhadores. Eles (os moradores) com certeza vão receber bem o filme e vão gostar bastante porque conta um pouco da história deles. Vai ser uma grande festa, porque tudo no São José termina numa grande festa.”

Confira o trailer do Irmão do Morro: